STEAM - Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática

Descubra no texto a seguir o que significa STEAM, uma metodologia de ensino que se torna cada vez mais popular nas escolas.

Descubra no texto a seguir o que significa STEAM, uma metodologia de ensino que se torna cada vez mais popular nas escolas.

A ideia de cultura Maker nas escolas já não é mais novidade. Talvez essa ideia tenha sido refinada ao longo dos anos, no entanto, ela sempre esteve presente, talvez escondidinha, nas aulas de Ciências, mas certamente viva em Artes e durante toda a Educação Infantil. 

Então, o que aconteceu para que STEAM, Maker, STEM virassem parte da realidade das escolas? Bem, tudo começa com mãozinhas e cabeças inquietas e uma visão de futuro para sistematizar a importância da Ciência e da Arte no futuro da humanidade. Ou das humanidades. To make é fazer. E o professor, a escola faz bastante. 

A pergunta é: fazer o quê? Mais ainda: com qual intenção? Entra então, os parâmetros do PISA na educação e a necessidade premente de uma educação para jovens que fosse menos `'encaixotada" em disciplinas e mais voltadas para habilidades e competências para o futuro – o tal século XXI.

Educação STEM

A enciclopédia Britânica - sim, ela ainda existe – nos conta mais sobre a concepção de STEM.

STEM, acrônimo para  science, technology, engineering, and mathematics (ciência, tecnologia, engenharia e matemática), é um campo de estudo e um currículo centrado na educaçao das disciplunas mencionadas. O acrônimo foi cunhado em 2001 pelos administradores científicos da U.S. National Science Foundation (NSF - Fundação Nacional de Ciência). A organização havia utilizado o acrônimo SMET ao se referirem aos campos e carreiras relacionados a essas disciplinas, integrando o conhecimento com as habilidades a serem desenvolvidas em cada campo. Em 2001, no entanto, a bióloga norte-americana Judith Ramaley, então vice diretora do departamento de recursos humanos e educação da NSF, rearranjou as palavras para  STEM, Desde então, o currículo STEM se difunde em diversos países além dos Estados Unidos, chegando à Austrália, China, França, Coreia do Sul e Reino Unido.” - Enciclopédia Britânica, capturado em julho de 2020.

A partir do reconhecimento da importância do ensino da Ciência, pelo Método Investigativo e com apoio nos passos do Método Científico, é possível trazer a Ciência para jovens e crianças para além de um corpo de conhecimentos e conceitos e tornar-se, de fato, em descobertas, experimentos e observações. 

É dado na atualidade que a educação em ciências é mister para o progresso da humanidade. Por meio de diferentes perguntas, muitos mitos foram resolvidos. Embora a natureza nunca deixe de surpreender, ela sempre tem espaço para o encantamento e a investigação.

Praticar as habilidades e processos de pensamento que cientistas e engenheiros utilizam demonstram que torna a ciência muito mais engajadora para estudantes de diferentes idades. Ter o modelo de trabalho de diferentes profissionais nessas áreas tira a pecha de “ciência ser coisa de gente muito inteligente” e a traz ao mundo real de jovens e crianças. 

Estudantes de diversos segmentos passam a ser capazes de desenrolar problemas e receber mudanças com mais tranquilidade, pois o olhar investigativo promove a prática de desenvolvimento de planos para resolução de problemas ou poder levantar hipóteses baseadas naquilo que já conhecem e podem observar.

Tronco ou Vapor?

O tempo passa e a necessidade e a curiosidade de professores, instituições de ensino e estudantes dá um passo para além de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. As Artes são convidadas. STEM se torna STEAM. E muito mais se ganha na exploração do fazer científico nas escolas!

Muitas vezes quando falamos de currículo STEAM o foco se vira para projetos. Eles vão colocar em jogo, além dos passos do método científico, seus objetos de aprendizagem, a exploração de materiais e a expressão artística, que refina o olhar de jovens e crianças. 

Além disso, a criatividade entra em cena para resolver problemas de forma colaborativa, estimulando estudantes a compartilhar ideias e potencialidades. Por meio das habilidades artísticas, as crianças e jovens são desafiados a criar com o uso de materiais não-convencionais, a apreciar o trabalho dos colegas e explorar materiais gráficos, por exemplo.

Fazer, mostrar e contar

O trabalho com projetos STEM/STEAM são parte da famosa “cultura maker” exatamente pelo seu caráter de projeto. Ter um produto final na conclusão das investigações e resoluções de problemas coloca o conhecimento dos estudantes no concreto – o que os beneficia em enxergar tanto o que são capazes de fazer quanto a aplicação cotidiana de cada uma das áreas de conhecimento exploradas. A Ciência, a Matemática saem de laboratórios e papéis para ganhar vida e ter significado no trabalho dos estudantes.

A prática da resolução de problemas não é, como comentado, parte do fundo de uma caixa. Uma abordagem para a vida é uma competência vital para o crescimento de jovens e crianças. Para muito além das tendências de escolas ou com a visão para o tal mercado de trabalho, colaborar, pensar criativamente e tirar da mala de ferramentas os instrumentos para um futuro mais crítico e cientificamente letrado!

Tathy Morselli Auriema

Consultoria de Soluções Educacionais

Departamento Pedagógico de Expansão Pearson Brasil

FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES DO DOM BOSCO

Este website não coleta dados de menores de 12 anos.

agreedAge*
Verify recaptcha to submit form

Ao enviar os dados acima, eu concordo em receber e-mails e mensagens através do WhatsApp do Dom Bosco e outras marcas Pearson. Ver política de privacidade. Ver Política de Privacidade.