Práticas sustentáveis para você levar para sua escola

Práticas sustentáveis para você levar para sua escola

Veja sugestões de atividades para promover a sustentabilidade entre seus alunos!

O Ministério da Educação afirma que a escola “trata-se de um local onde se desenvolvem processos educativos permanentes e continuados, capazes de sensibilizar o indivíduo e a coletividade para a construção de conhecimentos, valores, habilidades, atitudes e competências voltadas para a construção de uma sociedade de direitos, ambientalmente justa e sustentável”. Nesse sentido, é possível reconhecer a relevância do ambiente escolar para a promoção da sustentabilidade, tanto em relação ao meio ambiente quanto às próprias relações sociais. Para te ajudar nessa transformação, nós selecionamos dicas de práticas sustentáveis para utilizar em sua escola.

Evitar o desperdício de alimentos

Segundo o portal do governo federal, “a redução dos índices de perda e desperdício de alimentos ainda é uma questão essencial em todo o mundo”. Dados da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) apontam que o Brasil desperdiça cerca de 26 milhões de toneladas de alimentos todos os anos, o equivalente a 10% de toda a disponibilidade. 

Cabe às instituições de ensino promover medidas que visam a conscientização dos alunos e a redução do desperdício no ambiente escolar. O Colégio Giramundo, em São Paulo capital, conta com o projeto Escola sem Cantina. A iniciativa retirou a venda de alimentos da escola e incentivou os alunos a não trazer mais lanches. A proposta se concentra em combinar com os pais um cardápio único para todos. A alimentação é regulada por nutricionistas e procura aproveitar ao máximo os alimentos. Segundo a diretora, Aline Zompero, “as crianças também participam da escolha do cardápio e aprendem a colocar a quantidade certa no prato para consumir o que é preciso”.

Economizar água

O Departamento de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente aponta que o Brasil desperdiça cerca de 36% do total de água potável. Grande parte dessa perda se dá pelos problemas de distribuição na própria rede. Nesse sentido, a escola pode adotar medidas para não contribuir com esse desperdício. Investir em torneiras que regulam a abertura de acordo com a proximidade das mãos é uma alternativa que pode reduzir de 35% a 80% dos gastos, como propõe o portal do G1.

Para conscientizar os estudantes em relação ao desperdício, a cartilha do Ministério do Meio Ambiente sugere “pedir que os alunos investiguem sobre o seu próprio consumo de água e de sua família. Esta atividade possibilita trazer o tema para a realidade concreta dos alunos”. Para tal, pense em aulas que promovam o questionamento da relação dos estudantes com o consumo de água ao escovar os dentes e pelo tempo no banho, por exemplo. 

Promover o contato com a natureza

A pesquisadora Renata Cocito, em artigo para a pós-graduação da Unesp, explica que “direcionar o olhar para a natureza e identificar nela possibilidades de ação educativa é uma forma de ressignificarmos nosso fazer docente e oferecer às crianças oportunidades de se viver a infância além dos muros e das paredes das escolas, ampliando sua relação com o mundo”.

No dia a dia das escolas, há a dificuldade de encontrar grandes extensões de áreas verdes, principalmente em grandes centros urbanos, como a cidade de São Paulo. Para contornar o problema, a diretora do Colégio Giramundo, Aline Zombero, ressalta a importância de estabelecer parcerias com ONGs e instituições governamentais que tenham projetos para receber as crianças com segurança. Além disso, Aline cita o aproveitamento de espaços públicos, como praças e parques, para realizar atividades com os estudantes. 

Incentivar a reciclagem e o consumo sustentável

Na semana do Meio Ambiente de 2019, o Colégio Giramundo implementou um projeto que já vinha sendo trabalhado pela coordenação: não utilizar mais copos descartáveis na escola! A ideia é que cada aluno tenha seu próprio copo reutilizável. A iniciativa foi fundamental para espalhar a proposta sustentável para os alunos. Como explica a diretora Aline Zompero, “o objetivo é mobilizá-los para a vida, e não só para a escola, e engajar a família. Todo mundo adotou em casa; para onde eles forem, cada um leva o seu copo dobrável”. Segundo Aline, professores e funcionários também participam do projeto, trazendo para o ambiente escolar suas próprias xícaras de café. 

A escola também pode trabalhar a questão do consumo sustentável. Como cita o Ministério do Meio Ambiente, “o consumo consciente é uma questão de hábito: pequenas mudanças em nosso dia a dia têm grande impacto no futuro. Assim, o consumo consciente é uma contribuição voluntária, cotidiana e solidária para garantir a sustentabilidade da vida no planeta”. Trabalhos voluntários e campanhas de arrecadação ajudam a apresentar aos alunos diferentes realidades e proporcionar novas vivências, incentivando-os a enxergar a sociedade como uma cooperativa, e não somente uma comunidade de consumo. 

Muito além de apenas atividades de conscientização, é fundamental que a escola adote para si uma postura sustentável como parte da essência da instituição. Quando isso acontece, é possível ter ótimos resultados e criar uma identificação com os alunos e familiares. Aline ressalta que “os pais até cobram quando não há ações. O tempo todo as crianças falam ‘eu levei o meu copo’. Já faz parte da essência da escola. Quando os pais chegam, conseguem ver a proposta, já está tudo muito claro para eles”. A diretora ainda menciona a importância do envolvimento de toda a escola nos projetos: “a gente precisa pôr a mão na massa e se fazer presente”, reforça ela. 

FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES DO DOM BOSCO